Como ensinar Valores aos colaboradores?

Cada reunião que fazemos é como olhar para uma bússola que aponta a direção em que  caminham as organizações de modo geral. Quando acumulamos um bom número destes encontros, temos diante de nós uma espécie de mapa de tendências que nos mostra tanto o cenário atual quanto as perspectivas de futuro no médio e longo prazo para a gestão de pessoas e dos negócios. Um indicador simples são as perguntas que se repetem, por exemplo: como ensinar valores aos colaboradores?

Nos últimos meses esta questão tem surgido com ainda maior frequência, o que nos faz crer que as capacitações focadas em competências técnicas e também comportamentais desenvolveram indivíduos mais qualificados para realizar diferentes tarefas com sucesso, mas as atenções recaem para a necessidade de explorar algo que conecte todo este conhecimento, desperte habilidades e inspire novas e verdadeiras atitudes que contribuam para o crescimento deste coletivo chamado organização.

Atualmente quando alguém nos faz esta pergunta respondemos primeiro do jeito simples e depois contamos uma historinha. A resposta simples é esta: “você inspira, não ensina”. Já a historinha é na verdade uma analogia que começa assim…

Imagino que você tenha aprendido, em diferentes momentos da sua vida, com seus pais, familiares ou aqueles amigos mais próximos, alguns dos valores que carrega até hoje, não é? Você se lembra como os aprendeu? Foram momentos formais quando uma destas pessoas na sua jornada explicou algum conceito complexo? Ou terá sido numa conversa informal, por meio de exemplos e atitudes?

Lançada a reflexão, apontamos o elemento que conecta o aprendizado de valores: a experienciação. Então concluímos a provocação: os colaboradores aprendem valores assim como você e eu, através das experiências. Para inspira-los é preciso proporcionar experiências plenas e de valor.

A pergunta que você deve estar se fazendo é: ok, mas o que são as experiências do colaborador? Bem, acreditamos que a Experiência do Colaborador é o resultado de suas interações com as diferentes dimensões da organização. Por exemplo, é comum começar a falar dos Valores da organização no processo de integração de novos colaboradores, mas estes mesmos Valores precisam ser percebidos em todo o processo de atração dos novos talentos, da comunicação da vaga à recepção para entrevista, presencial ou não. Isto é o que chamamos de Employer Branding na prática.

Algumas organizações optam por encontros e rodas de diálogo que são iniciativas bastante valorosas, mas é preciso uma comunicação que conquiste a adesão livre do colaborador antes e que também lhe proporcione formas de disseminar o aprendizado depois. Cada ponto de contato dentro da organização influencia na consolidação dos Valores e no despertar de algo ainda mais importante: atitudes de valor.

Quando olharmos para o colaborador como uma pessoa integral e pensarmos em cada interação entre o indivíduo e a organização como um canal de aprendizado, teremos também organizações íntegras com suas culturas consolidadas.

Rafael Giuliano,

desenhando experiências que inspirem valores!

Quer uma mãozinha criativa para disseminar e consolidar os valores da sua Cultura Organizacional, então venha e falecom@Rideto.one!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *