As regras do jogo estão mudando o tempo todo!

Foi Albert Einstein quem disse “Loucura é querer resultados diferentes fazendo tudo exatamente igual”. A verdade é que as regras do jogo estão mudando o tempo todo, mesmo que muitas pessoas e organizações ainda queiram jogar do mesmo jeito.

Para escrever apenas o título deste texto levei um tempo considerável debatendo com alguns colegas o que está mesmo mudando: o jogo ou as regras? Por fim a conclusão (ainda que não unânime – rs) foi que o jogo continua o mesmo, ao menos na essência. Buscamos por melhores resultados, entregas, satisfação e pouquinho de felicidade (rs). Já as regras, ou a maneira como se joga o jogo, têm passado por constantes transformações.

Parte das mudanças tem relação com o aumento da complexidade em nossas vidas. Novas exigências, processos e indicadores de desempenho. No ambiente organizacional como nas relações sociais (acredite!) surgem como regras neste jogo que chamamos de vida e nos acostumamos a reclamar delas. Porém, algumas destas regras estão associadas às conquistas com as quais ainda não sabemos como lidar.

A tecnologia, por exemplo, nos trouxe liberdades na relação com o “espaço e tempo”. No jogo da vida ainda precisamos trabalhar para suprir diferentes necessidades, mas já não há a obrigação de se estar no mesmo lugar e horário todos os dias para realizar tarefas ou fazer entregas com qualidade. Da mesma maneira como hoje em dia há poucas justificativas plausíveis para alguém não aprender algo novo se levarmos em conta toda informação que dispomos.

A forma de nos relacionar (com tudo!) está mudando. A regra de “possuir” começa a ser substituída pela nova regra de acessar. Já não é preciso ter algo só seu quando se pode compartilhar. Basta olhar para modelos de negócio como o Airbnb, Uber, ou iniciativas como o Couchsurfing.

A relação cliente e fornecedor vem se tornando numa efetiva forma de parceira na qual duas organizações se unem para criar ou entregar algo novo. As relações entre organizações e “empregados” passam cada dia mais a se basear na colaboração com foco em interesses comuns que movem todo um negócio e seus resultados.

Dinâmicas e modelos que antes pareciam restritos ao universo da chamada “Economia Criativa” ou das startups começam a se tornar as novas regras do jogo, independente do tamanho do jogador. E para ser honesto, toda esta transformação tem se demonstrado muito positiva no que tange os resultados para pessoas e organizações. Apenas o choque inicial, é claro, pode parecer um pouco traumático.

Em 2017 experienciamos novas regras, algumas nos foram impostas outras criadas, quebradas e reinventadas por nós mesmos. Exploramos ao máximo o que a tecnologia podia nos oferecer em qualidade de vida e liberdade para trabalhar e criar. Escolhemos conquistar novos parceiros de trabalho ao invés de clientes e crescemos com novos colaboradores.

Olhamos para trás com apreço, não com nostalgia, pois valorizamos jornada até aqui sabendo que seu propósito é servir sempre como ponto de partida para novas experiências.

“Loucura é querer jogar hoje com as mesmas regras do passado”.

Venha criar novas regras para experiências ainda mais significativas em 2018. A gente acredita que você pode despertar sorrisos de dentro para fora!

Rafael Giuliano,
acreditando que cada nova regra torna o jogo ainda mais fascinante.

Quer uma mãozinha criativa para reinventar as regras e relações na sua organização? Então venha e falecom@Rideto.one!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *